quinta-feira, 2 de agosto de 2012

E o tempo, cura?




“O tempo nem sempre cura tudo. Tenho feridas que já cicatrizaram, mas que insistem em latejar quando o dia está nublado”.


(Clarissa Corrêa)


Um comentário:

Uma superfície de gelo ancorada no riso disse...

o tempo é a procura das dores, o remédio dos amargores.
A cura, a brancura da sua tez!

Sim, sempre cura.

Beijo na alma, Lena
Sam.