quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Raiva ou rima?








"Amor, então também, acaba?


Não, que eu saiba.


O que eu sei é que se transforma numa matéria-prima que a vida se 

encarrega de transformar em raiva.


Ou em rima".






(Paulo Leminski)

10 comentários:

✿ chica disse...

Lindo e instigante...beijos,chica

Bloguinho da Zizi disse...

Prefiro que não acabe, rsrsrsrs
beijinhos e bom dia Lena

Anabela Jardim disse...

E é tão bom amar e sentir-se amada, não é mesmo?
Gostei muito da sua visita ao meu blog Anabela na casa da vovó, convido a você que visite também o http://anabelajardim.blogspot.com/ que completará um aninho no dia 06/08. Seja benvinda e volte sempre!

Bento Sales disse...

Lena, temos que ter cuidado para o amor sempre se converter em rima, pois é mais poético e nunca em raiva, que é sofrimento.

Abraços e obrigado pela visita e comentário inteligente no meu blog!

Paula Moraes disse...

Lena querida, prefiro que se transforme em rima...rs
bjs

Lethy disse...

De aumor eu sei tudo!
E ele num acaba...
lambeijos

Lethy disse...

Tem tudo haver com o tema do idéias.
BOM TE LER DE NOVO
beijos
sonia

Meire disse...

Lenoquita lindoninha, adorei a imagem *-*
É amiga, dependendo do que acontece, o danadinho do amor vira raiva e daí pra indiferença são pulinhos pequenos, ainda bem pq raiva num faz bem a ninguém.
Mas todo amor puro, recheado com bondade, com respeito, com companheirismo e tudo o mais de bom que tem que andar de mãos dadas a ele dura forever como os diamantes.
(Pensa num ser humano que num pára de assoviar uma certa música hehe)

bjokitas, quero seu bem aqui e além das nuvens, que Deus te guarde sempre.

Dé Mattos disse...

Lena!
Já até postei esse trechinho tb, e espero que os amores sempre acabem em rima.
A raiva corrói o peito da gente e é um sentimento espaçoso, que fica tomando o lugar de outros que lá deveriam florescer.
Rimas, muitas rimas, mesmo diante de alguns sofrimentos!

*PS: tá sumidona Lena! Do face, do blog. Td bem por aí?
Beijoca!

Paty Michele disse...

O ideal é que sempre dê rima. Mas a raiva às vezes insiste...

bjo, Lena!